quinta-feira, 31 de março de 2011

Zé de Minas, do Brasil e da honra

Recebi um convite de meu amigo Bernar para escrever em seu blog. Ainda sem saber o que escrever direito, dedico meu primeiro texto a José Alencar, que infelizmente, morreu nesta terça feira 29/03/2011.
Mineiro das várias Minas, ganhou o mundo cedo. Trabalhou nas mais diversas funções, até se tornar um empresário de sucesso, um visionário. Dedicou sua vida a honra, ao trabalho e ao amor de viver, lutando durante quinze anos contra o câncer.
Mesmo lutando contra esse câncer, nunca deixou de trabalhar. Muito pelo contrário, acumulava cargos da mais alta confiança, como exemplo o de vice-presidente e de ministro da Defesa simultaneamente. Foi o vice-presidente que por mais tempo assumiu a presidência. Teve direito até as honras de chefe de Estado, por merecimento.
Mas José Alencar foi muito mais que isso. Homem puro, que nunca deixou as questões sociais de lado. Sempre lutou pelos direitos de Minas e do Brasil, e seu povo agradece em luto.
Termino, postando um poema feito por minha amiga e camarada, a Deputada Jô Moraes, que ainda no fim de 2010, o fez essa linda homenagem:
"ZÉ, O DO BRASIL

Saído das terras dos Puris,

(Muriaé – a terra do sabor de cana doce),

Zé é de Minas Gerais.

Poderia ser do Oiapoque ou Chuí,

Do Rio Moa Ou Ponta Seixas, junto ao Cabo Branco.

Nasceu com a obsessão

De ser o Zé do Brasil.

Sempre olha o mundo

Como se a Estrada de Ferro Leopoldina

pudesse ser restaurada até Paris.

Na certa quereria agradecer a Guido Marlière

– francês de boa fé que doou a capela

do Largo do Rosário

à fé de acreditar na sua gente e no futuro.

Zé do Brasil, Irmão do presidente,

Passeante de carreatas,

Na juventude dos seus muitos 70s,

Cavaleiro andante contra a taxa Selic.

A gente quer dizer, Zé,

Que teus anos no poder

Te deixaram muito mais Zé

E, por isso, bem mais perto

de nossos corações.

Jô Moraes -12/12/2010"(*)

Agradeço ao Bernar, pelo convite (aceito), e a todos que por aqui passarem.
Um grande abraço,

Ivan Santo.

descanse em paz, Zé.

(*) extraido do Portal Vermelho

5 comentários:

Estrela da noite disse...

Parabéns a você, meu amigo, pela acretada homenagem a um homem tão ilustre, e o poema então, mais acertado ainda. Linda homenagem, ainda que a perda seja grande demais pra um país tão precisado de pessoas como ele. Parabéns Berna, por me fazer vir aqui, ler coisas tão interessantes, acertadíssimo esse seu amigo, deu um ar muito legal a tudo por aqui. Beijos aos dois, Daniela.

Folha Secas, Marrons Meia Rosas e Amarelas disse...

Beleza Santo! Valeu mesmo Camarada! Valeu a lembrança do falecimento do Zé! Tirando os(as) nossos o cara reinventou a dignidade na política mineira! Agora(!) qui melda este trem aqui(!) os comentários n saem na primeira página, n! Olha aí, a Dani fez um comentário, e na primeira página estava indicado, "zero comentários".
Um abração Santo e beijão Dani! Valeu demais!

Fernando Cezar Toledo Martins disse...

Grande Berna.
Vc e o Santo foram muito precisos ao enaltecer o José Alencar, político o qual eu tive a honra de um dia trocar algumas palavras. Um abraço para vcs.

Um abraço Fernando.

Folha Secas, Marrons Meia Rosas e Amarelas disse...

Grande Fernando!

Num foi eu, n! Td foi iniciativa do Santo, eu só peguei carona! Obrigado pela força, q dá aqui! Valeu!

Um grande abraço!

Ivan Santo disse...

Valeu d+ gente!!! Zé Alencar merece!! O poema é bacana mesmo!!